Publicações

TRINDADE: UMA CIDADE PARA TURISTAS E ROMEIROS, NÃO PARA MORADORES

Poucas coisas escapam hoje da normatização do comportamento pelo consumo. Em nossos dias a expressão “turismo religioso” é sintomática na medida em que indica o quanto o espírito religioso sincero está sujeito ao risco de ser seduzido e equacionado ao comportamento do consumidor de “espiritualidade” e artigos religiosos. Haveria que analisar em uma reflexão específica se e oquantoas próprias igrejas ou religiões têm incentivado tal equação. Me parece que essa hipótese aponta para um dos estudos mais interessantes, polêmicos e críticos a respeito de certas religiões no contexto atual, incluindo aí as protestantes e a Católica. Em todo caso, uma coisa parece certa:em função do crescimento do “turismo religioso” Trindade é“politicamenteplanejada” não para os que aqui residem, mas para os que a visitam. Especialmente os que o fazem uma vez ao ano.

É espantoso para qualquer cidadão que teve de circular por meses em ruas esburacadas (mesmo depois do período chuvoso) ver nas vésperas da Romaria o Centro da cidade e a região que constitui o seu “eixo turístico” serem “revitalizados” ou, poderíamos dizer, “maquiados” no intervalo de um mês. Entre o meado de mês de maio até o recente início dos festejos, quem circulou pela cidade viu o Centro receber uma pavimentação fina de péssima qualidade(que o governo municipal deseja fazer passar por “massa asfáltica”), pintura dos meios-fios, sinalização de trânsito horizontal além de um calçamento lateral na Avenida Raimundo de Aquino.

Aquele que se deslocar por regiões não turísticas, e por isso mesmo não políticas de Trindade, vai se deparar com um avultoso número de buracos que em alguns pontos tornam as vias intransitáveis. Assim como vai poder perceber que em algumas regiões, como no Setor Monte Cristo, o nível de negligência da gestão pública é tal que a vegetação cresce no asfalto cujo acúmulo de sedimentos e terra já soma anos. Para algumas vias não é exagero dizer que, considerando-se os lados direito e esquerdo, quase metade de suas área está tomada pela vegetação.

Nesse mesmo setor, para ficarmos com apenas um caso, começou a operar no primeiro semestre do corrente ano o Instituto Federal Goiano; uma importante instituição de ensino que oferece educação escolar e profissional de qualidade para estudantes de Trindade e região. Não obstante a extraordinária conquista que essa instituição representa para o Município e apesar da qualidade de suas instalações, justamente no ponto de entrada a via que lhe dá acesso e que constitui o ponto de intersecção dos setores Cristina Expansão e Monte Cristo (uma fixa de terra que não tem mais do que 15 ou 20 metros) não tem e não recebeu asfalto na última “operação tapa buracos”. Uma operação que curiosamente contemplou apenas um lado da via dupla situada de frente para a instituição. A segunda parte da via, em interface com o estacionamento do Instituto Federal Goiano, possui uma cratera que seria um elogio imperdoável chamar de buraco.

Um das cenas mais bizarras que presenciei nos últimos tempos foi observar durante as frequentes idas e vindas para Goiânia o zelo com que o Governo do Estado de Goiás (em sintonia com o espírito político do “turismo religioso” de Trindade) conduziu a “revitalização” da Rodovia dos romeiros. O trecho de 18 km de pista está agora impecável: a grama esmeralda dos canteiros laterais e centrais foi aparada, as imponentes palmeiras que no ano passado foram plantadas ao longo dos 18 km da via já estão regadas, a iluminação foi reparada, a sinalização horizontal foi repintada e a terra deslocada pelo vento foi recolhida dos cantos dos meios-fios – para não acumular vegetação! Mesmo os guardrailsinstalados por toda a rodovia duplicada foram lavados! Isso mesmo: foram caprichosamente lavados com água, esponja e sabão por um sem-número de trabalhadores. Diante da cena inusitada fiquei pesaroso por não usar um smatphone com câmera de alta resolução.

Ao fim de laboriosos esforços políticos, romeiros e turistas religiosos chegam a Trindade. Se não fosse pelo testemunho dos residentes e dos problemas que não podem deixar de emergir mesmo nos momentos de festa e celebração, é bem provável que voltariam para suas casaspensando que as rodovias de Goiás e o município de Trindade sãoo que aparentam ser no período de festa, no qual são reunidos mais de um milhão de eleitores que por acaso são também turistas e devotos do Divino Pai Eterno.