Publicações

ABENÇOADAS ÁGUAS

Aqui no cerrado, dezembro é mês de muita chuva – abençoadas águas que os céus vertem no verão, depois de longa e sofrida estiagem. Os antigos diziam que nos meses com a letra “r” haveria chuva, e que a seca se resumiria, portanto, a maio, junho, julho e agosto.   Só que, de ano para ano, diminui o “tempo das águas”, que em 2017 começou para valer somente em novembro.

E veio com força. As plantas estão lavadas e verdejantes; as frutas amadurecem, a grama cresce depressa, as flores brotam por toda a parte. Cada árvore, cada canteiro tem sua historinha que a memória registrou: os manacás me foram dados em pequenas mudas por uma tia muito querida; o jasmim do cabo chegou-me pelas mãos de minha irmã; a bacabeira – linda palmeira do Maranhão – foi presente de uma colega de infância; as  orquídeas lembram muitos amigos, em diferentes momentos festivos; os jasmins Cayena (ou manga) eu os comprei em uma floricultura, nas cores branca, vermelha e mesclada de amarelo e rosa. 

Dos espécimes do cerrado, neste ano colhemos pequi e jatobá; o tamarineiro não foi muito generoso, nem os cajueiros deram carga total. Culpa das chuvas tardias? Talvez o seja, e também a florada diminuta do jacarandá mimoso.

Em compensação, as alamandas – ditas dedais de ouro -  estão carregadas, assim como a respectiva versão em vermelho-rubro. As buganvílias carregaram: a cor-de-rosa está um espetáculo, entremeada com tímidos tons de ocre.

Colhemos jacas, mangas, jambotas, laranjas-lima, algumas poucas pitangas, que vieram pequeninas. A jabuticabeira produziu, mas os passarinhos não deram trégua, fizeram a festa e pouco sobrou para nós; já as romãzeiras estão carregadas e as ateiras prometem boa safra.

Lembro-me de quando construímos nossa casa - no cerrado havia somente capim agreste e pés de mamona. Começamos com as palmeiras imperiais: cada neto plantou um pé. A ideia era que se sentissem donos do pedaço e a ele se afeiçoassem por toda a vida.

Afinal, nossas raízes são rurais – ou melhor, as minhas raízes. Elas estão fincadas em gerações de fazendeiros e criadores de gado, gente disposta e empreendedora que extraiu da terra seu sustento e de sua família, desbravando terras, trabalhando e produzindo em lugares remotos, aonde mal chegavam estradas carroçáveis. E levando consigo padrões de educação doméstica, de religião cristã, de civilidade e de apreço pela educação que, pela graça de Deus, nunca nos faltou.

Aqui morando há quase vinte anos, nesse espaço de tempo vieram mais plantas, mais cuidados, mais investimento financeiro e afetivo na terra. Fomos recompensados a cem por um. Temos nossas flores e frutos, além da nossa própria orquestra de pássaros que gorjeiam do amanhecer ao entardecer. Vez por outra, assistimos a bandos deles pousando nos galhos e se deliciando com os mamões, disputando as uvas, saqueando canteiros da horta e do jardim. Avezinhas de Deus que nos alegram as manhãs e os crepúsculos, além dos beija-flores que adentram a casa e não fazem cerimônia.

Conversando como uma amiga em São Paulo – urbanóide de quatro costados - contei-lhe da nossa vida de descobertas e prazeres que vêm da terra, e o quanto tudo nos parece gratificante. Um pouco para provocá-la, falei-lhe também da outra face do mundo rural: os mosquitos, os pernilongos, os sapos que entram em casa sem pedir licença, as abelhas que nos assustaram invadindo a capelinha. Até as cobras que tivemos de enfrentar: duas cascavéis, uma jararacuçu, uma coral. Além de ratos e morcegos que vêm do mato e é preciso combater sem trégua.

Minha amiga me olhava entre assustada e incrédula, mas não fez comentário de imediato. Bebemos vinho, conversamos outros assuntos, falamos de livros, porquanto ela forma também no time das leitoras vorazes. Ao despedir-me, reiterei o convite para que nos visitassem, teríamos o maior prazer em recebê-los, a ela e ao marido, pessoas a quem queremos bem.

Entre constrangida e séria,  respondeu:

- Desculpe, mas depois do que você nos contou não me animo a ir vê-los em Goiás. Tenho pavor de cobra, de mosquitos, de sapos, de ratos, de morcegos... Me desculpe – prefiro encontrá-los aqui em São Paulo mesmo.

E mais não disse, nem lhe foi perguntado.

(Publicado no jornal "Diário da Manhã" de Goiânia em 05 de dezembro de 2017)