image 1 image 2

DESALENTO

De repente, vem um cansaço que se expressa em desalento. Aposentada depois de 42 anos de serviço público (sendo 34 de magistério), eu pensava que poderia descalçar as chuteiras e comprazer-me com o resultado dos esforços de toda a minha geração, traduzidos nas mudanças que arduamente buscamos realizar.

Ou seja: o nível de educação estaria melhor e as pessoas mais conscientes de sua cidadania; a sociedade se mostraria mais justa e mais humana e, nela, seria mais civilizada a convivência. 

Continuar

SOBRANDO DINHEIRO

Sempre gostei de ouvir histórias. Na minha infância, não havia rádio, televisão, computadores, tablets, celulares etc. Morando na fazenda, à noite, até chegar a hora de dormir – e dormia-se cedo - as crianças brincavam. Quando chovia, meu avô nos contava histórias, folheando um grande livro colorido de capa dura. Não me lembro do título, nem do autor, mas memorizei algumas histórias e as repassei aos meus filhos – do João Felpudo; das irmãs Rosa Branca e Rosa Vermelha; de Hansel e Gretel perdidos na floresta; da menina guardadora de cisnes; da pequena vendedora de fósforos... Anos depois, alguém me disse que essas historinhas são de origem germânica, e que o livro provavelmente foi trazido da Alemanha por meu avô quando voltou dos estudos, depois de oito anos interno em um colégio de Humanidades.

Continuar

MARANHÃO

Na última vez em que estive no Maranhão – há cerca de três anos – fiquei contristada com o abandono da capital, 

Continuar

Poetas da Chã Preta

Mais uma contribuição de um sócio correspondente da ATLECA.

Continuar

BRASILEIRINHOS

Na praia tranquila, crianças esbaldam-se na areia, acompanhadas de mamães e papais carinhosos. Surpreende-me o número de jovens pais que, pacientes, brincam com seus pequerruchos, fazendo piscininhas e castelinhos, passando protetor solar, trocando fraldas, dando mamadeiras. A pergunta é inevitável: o que foi feito do machão brasileiro que mal e mal tolerava o choro das crianças, enquanto a mãe se esfalfava sozinha?

Continuar

ELES & ELAS

Por ocasião da posse da acadêmica Elisabeth Abreu Caldeira Brito na Academia Feminina de Letras e Artes de Goiás (AFLAG), julguei oportuno evocar a participação das mulheres em instituições dessa natureza. 

Continuar